“Os animais do mundo existem por suas próprias razões. Não foram feitos para os seres humanos, do mesmo modo que os negros não foram feitos para os brancos, nem as mulheres para os homens.”

Alice Walker

 

A ética é o principal pilar que sustenta o vegetarianismo. Os animais que consumimos, como vacas, porcos, galinhas e peixes, são seres sencientes (capazes de sofrer e experimentar contentamento) e que, portanto, merecem respeito e consideração moral. Além disso, esses animais são capazes de tomar conta de si mesmos, de escolherem o que querem para si. Nessa perspectiva, tais animais possuem valor intrínseco, ou seja, devem ser considerados como fins em si mesmos – e não como mero objetos para satisfazer os interesses humanos.

 

Apesar da imagem geralmente divulgada ao público de “fazendas felizes”, não é isso o que realmente ocorre na esmagadora maioria dos casos. As atuais granjas industriais, onde são criados mais de 90% dos animais ditos “de produção”, mais se parecem com fábricas – a diferença é que as “máquinas” são os próprios animais, explorados e utilizados como se fossem qualquer objeto inanimado.

 

 

Os frangos ditos “de corte” vivem durante cerca de 40 dias, quando, a um ritmo de crescimento acelerado ao máximo devido à seleção genética e a rações específicas, atingem o peso de aproximadamente 2,5 Kg e são levados para o abate. Durante este crescimento acelerado, muitos animais perdem a capacidade de se locomover devido à superlotação dos galpões e ao crescimento desproporcional do corpo em relação ao seu esqueleto. A maioria dos porcos é criada em um sistema de confinamento intensivo semelhante.

 

 

Quando chegam no peso de abate, as galinhas são transportadas de caminhão em caixas superlotadas e, nos abatedouros, são penduradas de cabeça para baixo, são atordoadas por eletrocussão e em seguida têm seus pescoços cortados. Mais de 10 mil galinhas passam por isso a cada minuto no Brasil.

 

 

No caso das galinhas poedeiras (para produção de ovos) e porcas reprodutoras, a realidade é ainda mais degradante. Esses animais são confinados em gaiolas pouco maior do que os seus corpos, de maneira que não conseguem esticar os membros ou mesmo se virar, durante 18 meses ou mais.

 

 

Debicagem realizada para que as galinhas poedeiras não se matem em virtude do estresse do confinamento.

 

 

Machos não põem ovos. Por isso, os pintinhos machos são separados e descartados para morrerem à míngua ou para serem triturados vivos.

 

Embora os bois e vacas ditos “de corte” passem a maior parte da sua vida em sistema extensivo (pasto), a parte final de suas vidas também é geralmente em confinamento, visando uma alimentação controlada à base de ração e, assim, uma engorda mais rápida.

 

A produção industrial de leite de vaca pode ser considerada ainda mais cruel do que a criação que visa à produção de carne. Apesar do mesmo final – o abatedouro –, as vacas passam grande parte do dia enclausuradas em confinamento enquanto é feita a extração mecânica do leite, são constantemente inseminadas artificialmente para que possam ser ordenhadas e, geralmente, têm seus filhotes separados de si à força, em apenas um ou dois dias após o parto.

 

 

No pensamento moral da nossa história, apenas os seres humanos, por estarem de posse da razão, são dignos de atenção moral. Todos os outros seres da Terra têm apenas um valor intrumental e são, segundo essa visão, objetos a serem explorados a bem da conveniência humana. Tal perspectiva moral é típica de uma racionalidade escravocrata, fundada na ideia de que há criaturas “superiores” que podem fazer com as “inferiores” tudo o que bem entenderem.

Receba as novidades!

 
 
Scroll to top