nota

 

  A Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB) recebeu sem surpresa a notícia      sobre a operação “Carne Fraca”, da Polícia Federal - que desmascarou      um esquema de corrupção e falsificação sanitária articulado pelas                empresas JBS e Brasil Foods, que respondem por marcas como Sadia,        Perdigão, Friboi, Swift e Seara.

 

 

 

 

 

 

Estamos falando de uma indústria inerentemente inescrupulosa, cuja atividade central é confinar e matar animais, aos milhões por dia. Animais muito semelhantes aos cães e gatos que temos em casa.

De quem trata animais desse modo, não deveríamos esperar que tratassem as pessoas bem.

A pecuária também tem um enorme custo ambiental - e quem paga somos todos nós e as gerações futuras. A produção de carne no Brasil é responsável pelo uso de amplas extensões de terra, desmatamento, poluição da água e solo, e mais emissões de gases de efeito estufa do que qualquer outro setor. E se não fosse pelos incentivos fiscais e dinheiro público que as grandes empresas de carne recebem do governo, a conta não fecharia.

Para uma indústria tão podre, não surpreende o fato de venderem produtos podres.

Animais mortos tendem a se decompor muito rapidamente, entrando em estado de apodrecimento. Proteínas vegetais (como feijões, grão-de-bico, lentilha, ervilha, entre outros) têm risco sanitário muito menor.

Lembramos que a forma mais eficaz de evitar a contaminação das carnes é não consumi-las. O mercado oferece cada vez mais opções de proteínas vegetais ricas e saborosas. O consumidor pode, ao mesmo tempo, preservar sua saúde, salvar animais e proteger o meio ambiente. Acesse: www.desafio21diassemcarne.com

Receba as novidades!

 
 
Scroll to top